obrigado1
 
 
QUEM SOMOS | COMO ANUNCIAR | FALE CONOSCO
Destaque: 27/07 |
NOTÍCIAS
 
Morre o poeta, fica a poesia!
Cultura - 15/07/2017

Por Welson Gasparini

A vida de Antonio Ventura, falecido às 11h40 da quinta-feira, 29 de junho, é uma história, sobretudo, de superação! Desde criança a vida não sorriu para esse juiz que honrou a magistratura paulista e esse poeta cuja poesia foi reverenciada por luminares da literatura brasileira como, entre outros, Ferreira Gullar, João Ubaldo Ribeiro, Nélida Piñon,  Antonio Carlos Secchin, Alvaro Alves de Faria, Carlos Nejar, Ivan Junqueira, Saulo Ramos e Menalton Braff: nascido numa chácara de propriedade do pai, no bairro de Santa Cruz do José Jacques em Ribeirão Preto, menino ainda foi despertado para a literatura por professores do colégio Alberto Santos Dumont mas, até realizar o seu ideal de editar e publicar sua poesia, lançando-a em concorridas noites de autógrafos no Rio de Janeiro, São Paulo, Ribeirão Preto e Mococa , não lhe faltaram obstáculos! Saindo de Ribeirão Preto, na década de 70, foi para São Paulo,  onde se tornou crítico  de cinema e teatro da revista “Bondinho”; de São Paulo seguiu para o Rio onde, num lance mais ousado, sobreviveu vendendo seus poemas mimeografados na porta do Teatro Ipanema.  Nesse meio tempo, tornou-se alcoólatra o que fez dele, nos últimos anos, um inimigo declarado do álcool. Recuperado desse vício, retornou a Ribeirão Preto onde trabalhou como carteiro – sendo o primeiro colocado em concurso na época realizado pelos Correios – e, posteriormente, como escrevente, oficial de justiça e juiz de Direito.

Casado com a cirurgiã-dentista e ex-vereadora mocoquense  Débora Ventura,  Ventura desenvolveu sua inspiração poética lançando, em 2011, a belíssima edição de “O Catador de Palavras”, um verdadeiro marco da poesia brasileira contemporânea; tornou-se, em 1º de janeiro de 2013, membro da Academia Ribeirãopretana de Letras, ocupando a cadeira 11 que tem como patrono Luiz Gama, um grande poeta abolicionista do século 19.

Conheci-o, ainda adolescente, quando ele era figurinha carimbada nas premiações do Concurso Literário Dia do Professor, promovido pelo jornal ”O Diário’’ na década de 60, tanto nas categorias conto quanto em poesia; como prefeito em meu primeiro mandato tive oportunidade, então, de lhe entregar prêmios que, já então, reconheciam seu mérito como um dos mais destacados discípulos (ao lado de Antonio Carlos Morari, precocemente falecido)  do saudoso professor Vicente Teodoro de Souza. O “Catador de Palavras”, cujo lançamento acompanhei na antiga livraria Paraler do Ribeirãoshopping, no dia 4 de outubro de 2011, é uma síntese de toda sua obra poética;   na sequência vieram, ainda, as edições de “O Guardador de Abismos” (lançado em Ribeirão Preto em 7 de agosto de 2014) e, por último, “A Educação pelo Abismo” (lançado na livraria Travessa, do RibeirãoShopping, em 30 de junho de 2016).

O poeta - para tristeza de seus familiares (notadamente da esposa Débora e dos filhos Toninho, Núbia e Renato) – morreu; a sua poesia, entretanto, por ser imortal, continua viva!

 

 

(Foto: divulgação)

 

 

Welson Gasparini é deputado estadual/PSDB, advogado e ex-prefeito de Ribeirão Preto.

 
 
 Voltar  Topo  Imprimir
 
 
classificados2 institucional
CLASSIFICADOS
DINHEIRO
HUMOR
BLOG