obrigado1
 
 
QUEM SOMOS | COMO ANUNCIAR | FALE CONOSCO
Destaque: 06/12 |
COLUNISTAS
Estratégia da cooperação e a competitividade na iempresa

Por Rosalvi Monteagudo

A competição complementa a cooperação e não são antagônicas

O neocooperativismo tem como estratégia a cooperação com competitividade, apesar de ser uma distorção do modo capitalista na produção que afeta as relações sociais; entretanto é indispensável vincular-se aos princípios da economia solidária como meio de melhorar o desenvolvimento e promover o comércio.

A competição e a cooperação precisam da interação para que o desenvolvimento do homem possa  ser aproveitado, porém,  sob os princípios da econômica solidária que necessita da capacidade de integração uma vez que se agregam como a principal estratégia cooperativa.  Os fundamentos da cooperação estão nos arranjos  econômicos e a competitividade  é uma distorção do capitalismo que precisa se interagir numa construção sociocultural em torno da economia solidária.

A competição converge para um centro em que  há concentração de renda e poder. A cooperação, entretanto, deve possuir uma integração pela capacidade  de organizar o treinamento, educação e informação sob as premissas que servem de base à economia solidária, através da associação socioeconômica. O neocooperativismo  fundamenta-se pela reunião de pessoas com arranjos socioeconômicos que se articulam pela economia solidária.

Quando a competição está ligada ao princípio de cooperação faz o sistema ganhar em qualidade, uma vez que sem esta leva a impedir o crescimento e contribuir com o respeito mútuo, solidariedade para não esquecer os empreendimentos que precisam da competição com origem na sustentabilidade.

A competitividade é uma estratégia social que precisa da cooperação econômica, pois somente a falta de capital é que obriga a convergência de grupos de pessoas para constituir o empreendimento cooperativo.

O modelo de desenvolvimento  socioeconômico destaca o cooperativismo como medida de sustentação dos empreendimentos pelas vantagens competitivas que se situam como circunstancias possíveis de desenvolvimento.

A cooperação econômica é o auxilio mútuo entre os cooperadores/donos, através do seu capital particular enquanto  a iempresa é um empreendimento comercial  em integração com a sua organização que proporciona o crescimento sustentável  com competitividade pelo desenvolvimento, através de modernas gestões e com uma central que  fomenta na comunidade a geração de oportunidades, ou melhor, trabalhos, contribuindo para cooperação.

A iempresa é um empreendimento comercial com um  número ilimitado de cooperadores/donos para proporcionar um meio para dar existência à cooperação mútua na administração, venda, produção, pesquisa e  desenvolvimento, através de sua organização que oferece suporte de gestões para maior compartilhamento dos recursos humanos, materiais e econômico-financeiros e composição de seu patrimônio com comercialização sustentável e solidária.

Portanto a competitividade deve faze parte dos princípios da economia solidária que pela cooperação  possibilita o cooperador/dono organizar os fenômenos sociais e econômicos e se transformar  num dos meios de desenvolvimento humano.

A insatisfação das pessoas pelo modo capitalista cria a necessidade  de eliminar seus  efeitos negativos para surgir uma economia que tenha uma preocupação socioeconômica. A mudança para a interação da cooperação com a competitividade pela lógica capitalista precisa da integração socioeconômica como solução para a comercialização de seus produtos com um comércio justo. Esta estratégia da competitividade é cada vez mais focada na cooperação.

‘A clara tendência ao aprimoramento da cooperação pela competitividade numa lógica comercial  desenvolvimentista dão grande valor às formas de organização socioeconômica pelo arranjo aos sistemas produtivos e as estratégias cooperativas para impedir a ruína dos empreendimentos de econômica solidária.

A competição agrega valor ao sistema cooperativo pela cooperação econômica que se baseia em objetivos em comuns e compartilham os recursos com benefícios distribuídos entre todos os participantes do sistema que criam meios de inovação e qualidade. Assim, contribui  para que a solidariedade e a cooperação mútua sejam incorporadas aos empreendimentos bem administrado e competitivo em busca de sua própria sustentabilidade.

 

 

(Foto: reprodução)

 

 

 
Rosalvi Monteagudo

É escritora, formada pela USP e pós-graduada em informática e cooperativismo.

   
 
 Voltar  Topo  Imprimir
 
 
CLASSIFICADOS
booked.net
DINHEIRO
HUMOR
BLOG