obrigado1
 
 
QUEM SOMOS | COMO ANUNCIAR | FALE CONOSCO
Destaque: 22/01 |
COLUNISTAS
Assédio ou brincadeira

Por Andréa Ladislau

Muito tem se falado sobre assédio em ambiente corporativo, como identificar quando a intimidade no local de trabalho entre os colegas, passa dos limites e ultrapassa a barreira de uma simples brincadeira ou descontração para ser um assédio moral, psicológico ou até sexual? Vamos primeiro falar o que vem a ser o assédio. Assediar é o fato de expor o indivíduo a situações de constrangimento e/ou humilhações. O constrangimento e humilhação em alguns casos pode estar associado ao ambiente laboral da pessoa, que acaba sendo exposta a situações hierárquicas autoritárias e sem simetrias, permeadas de relações desumanas, sem ética, negativas e psicologicamente prejudiciais ao trabalhador.

Muitos confundem o assédio como sendo legitimado apenas por ações realizadas através de piadas, críticas, insultos e ameaças. Mas não é só isso, o assédio pode estar vinculado a pressão excessiva, a uma proposital sobrecarga de tarefas, imposições de horários absurdos, isolamentos, instruções imprecisas, que podem induzir ao erro, exposição da pessoa, e também a utilização do seu poder de liderança para assediar sexualmente um parceiro de trabalho. Constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo o agente de sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função.

Olhando com um olhar mais apurado e cuidado para o assédio sexual ou moral, que é praticado no local de trabalho, podemos afirmar que é um processo deliberado por perseguição, mesclado por atos repetitivos e, sobretudo, prolongados. Constata-se nele o objetivo de humilhar, constranger, inferiorizar e isolar o alvo, seja ele quem for no grupo social. Portanto, se devidamente comprovado, subordinado ou superior, são passíveis de receber indenização, no caso de quem seja a vítima. 

Pesquisas apontam que 42% dos trabalhadores brasileiros já sofreram ou sofrem algum tipo de assédio no mundo corporativo hoje. Um número extremamente expressivo e que pode acarretar consequências psicológicas e sociais em quem passa por este tipo de violência. 

O Assédio é toda e qualquer conduta abusiva de gestos, palavras, escritos, comportamentos e atitudes, que de forma intencional e frequente venha a ferir a dignidade e integridade física e psíquica de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o clima de trabalho, seja de forma direta (através de insultos, acusações, gritos, humilhações públicas e exposição do outro ao ridículo), ou mesmo de forma indireta (através de isolamentos, fofocas, propagação de boatos, recusa na comunicação, exclusão social, acuamento sexual, propostas indecentes...).

E quando podemos caracterizar o fato como um assédio ou uma brincadeira? Primeiro, temos que observar se a ação é repetitiva e se está gerando constrangimento e angústia na vítima. A questão deixa de ser uma brincadeira quanto está carregada de mau gosto, de um caráter vexatório que acaba fazendo com que a pessoa não se sinta mais confortável naquele ambiente, não tenha mais vontade de produzir ou não tenha mais condições psicológicas para isso.

Em alguns casos é tão grave que o profissional perde a vontade de levantar da cama para cumprir seu horário de trabalho, pois lembra-se do ambiente, do que pode vir a sofrer naquele dia e com isso alguns sintomas começam a se desenvolver. São eles: depressão, síndrome do pânico, ansiedade excessiva, medo generalizado, estresse, distúrbios bipolares e alterações de humor. De fato, são danos e violência de natureza psicológica   que atentam contra a dignidade psíquica do indivíduo, por meio de ações as mais diversas, compreendendo gestos, palavras e atitudes, que humilham, degradam e atingem reiteradamente a vítima, visando desestabilizá-la, isolá-la ou eliminá-la do local de trabalho. Se as “brincadeiras” no local de trabalho estão causando em você sensações e sentimentos como, crises de choro, dores generalizadas, palpitações, tremores, sentimentos de inutilidade, insônia ou sonolência excessiva, depressão, diminuição da libido, sede de vingança, aumento da pressão arterial, dores de cabeça frequentes, distúrbios digestivos, tonturas, ideia de suicídio, falta de apetite, falta de ar, necessidade de fuga para a bebida. Enfim, se o ambiente de trabalho lhe causa mais de um destes sintomas, as investidas não devem ser consideradas como “brincadeiras”. Elas são sim assédio, pois causam desconforto, exposição vexatória, isso quando não causa o afastamento do trabalho para tratamento de saúde, uma vez que a vítima de assédio trabalha com medo, acuada, estressada, abatida, confusa, perde sua tranquilidade, fica insegura, sem possuir, portanto, as condições ideais para que desempenhe adequadamente suas funções. Esse quadro adverso afeta o trabalhador e reduz a sua produtividade. Aumentando também as tensões dos relacionamentos interpessoais. E, não se engane, o assédio não escolhe sua vítima, pode acontecer tanto com homens, quanto com mulheres. 

Ao perceber que está passando por um processo de assédio no trabalho, a vítima deve tomar algumas medidas, como: anotar, com detalhes, todas as humilhações e investidas sofridas: dia, mês, ano, hora, local, nome do agressor, testemunhas e conteúdo das conversas; Dar visibilidade às situações, procurando a ajuda de colegas que testemunharam ou que sofrem as mesmas humilhações ou constrangimentos; ou que possam perceber que existe também, além de moral, uma conotação sexual ou moral no contexto. Evitar conversas particulares com o agressor e agente do constrangimento.

Enfim, devemos estar atentos ás situações nas quais somos envolvidos em nosso cotidiano corporativo. Como vimos, nem sempre uma simples brincadeira é uma simples brincadeira. Se ela for repetitiva e causar danos morais e mentais, como os citados, não tenha dúvidas de que está sofrendo assédio. E, infelizmente, seja em empresas pequenas ou grandes, isso é muito comum acontecer. Bem verdade que, empresas menores o assédio pode ser facilitado pelo fato de que a intimidade pode ser maior entre as pessoas e, desta forma, pode ultrapassar os limites do permitido.

A falta de respeito, falta de sensibilidade e empatia são, certamente pilares utilizados por estes assediadores, seja ele de qual tipo for, moral ou sexual. Busque ajuda, comente com as pessoas mais próximas o que está acontecendo, buscando assim apoio e testemunhas possíveis. Calar-se não é a melhor estratégia. A ajuda profissional de um psicólogo ou psicanalista será de suma importância para que você perceba que não está sozinho e, mais que isso, conquiste sua autoestima, seu amor próprio e enxergue que nada vale mais que sua saúde mental, que seu equilíbrio físico e emocional. Não se deixe adoecer pelas atitudes do outro. Passamos muitas horas de nosso dia dentro do ambiente de trabalho rodeado de outras pessoas que, naturalmente, possuem crenças, valores, sonhos e desejos, divergentes dos nossos. Além disso, para viver feliz e consciente de seu papel dentro do universo corporativo, a harmonia, o respeito e o limite nas relações e nos ambientes, não podem, de forma alguma, estarem desvinculados da produtividade e dos resultados.

 

 

(Foto: reprodução/Internet)

 

 
Andréa Ladislau

É doutora em psicanálise, professora e embaixadora e diplomata in the World Academy of Human Sciences US Ambassador In Niterói.

   
 
 Voltar  Topo  Imprimir
 
 
CLASSIFICADOS
booked.net
DINHEIRO
HUMOR
BLOG