obrigado1
 
 
QUEM SOMOS | COMO ANUNCIAR | FALE CONOSCO
Destaque: 19/09 |
NOTÍCIAS
 
Homofobia x homossexualidade na novela Império
Televisão - 19/02/2015

Em “Império”, novela de Aguinaldo Silva e atração da TV Globo, vários assuntos inerentes sobre a constituição humana são abordados, entre eles as perspectivas negativas e positivas das particularidades sexuais. Segundo o psicólogo e escritor, Alexandre Bez, autor dos livros autor da trilogia “O que Era Doce Virou Amargo” e de “Inveja – O Inimigo Oculto”,  é importante mencionar que qualquer condição sexual escolhida jamais deve ser criticada.

”O sexo é regido unicamente pelo aparelho psicológico de cada um, é na parte mental que as escolhas são tomadas em função da progressão adquirida nos processos do psicodesenvolvimento sexual. Não há fatores biológicos determinantes que operam na escolha da sexualidade”, explica o especialista.

Na novela global vimos a decepção do personagem Enrico (Joaquim Lopes) quando soube das outras preferências de seu pai. “No caso dele isso se difere dos outros processos de generalização encontrados na grande maioria dos homofóbicos, que é a identificação negada e projetada através do ódio nos homossexuais por enxergar neles traços de sua própria personalidade e desejos reprimidos”, afirma Alexandre Bez

Homofobia é doença - Para o psicólogo, Enrico agia assim porque em seu processo de criação não lhe fora passado normas de comportamento como: tolerar as diferenças, aprender a respeitar o próximo, compreender e aceitar preferências alheias, entender que a homossexualidade é normal e não um desvio sexual ou pecado e assimilar o conhecimento de que tudo que ocorre no universo homossexual também acontece no mundo hétero da mesma forma.

Mesmo seu pai Cláudio Bolgari (José Mayer) sendo homossexual não passou essa criação como também não criticou as vezes que ele se pronunciava contra. Nesse caso existe um déficit familiar que precisa ser corrigido e assim impedindo atos de repúdio aos homossexuais e eventuais agressões físicas ou verbais no futuro.

Os verdadeiros doentes são os homofóbicos, esses sim precisam de tratamento e auxílio psicológico. Enrico se retrata a tempo e percebe de que era só aceitar conviver com as diferenças. A homossexualidade tem as mesmas dificuldades e questões amorosas da heterossexualidade, mudando apenas o gênero.

O homossexualismo deixou de existir a partir do momento em que a Organização Mundial de Saúde baniu o comportamento homoafetivo como desvio ou patologia. Já não era sem tempo e nada como desfrutar da sua opção sexual com saúde respeito e privacidade.

 

(Foto: reprodução)

 

Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

 
 
 Voltar  Topo  Imprimir
 
 
CLASSIFICADOS
booked.net
DINHEIRO
HUMOR
BLOG